quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Acidente

Carne fresca, sem vida, esgotada.
Criatura fria, pálida.
Com o restante de seu sangue coagulado dentro do crânio exposto.
São traumas ou traumatismos?
Sua pele foi perfurada pelo vidro.
Suas mãos foram decepadas pelo metal.
Suas pernas foram esmagadas pelo impacto.
O corpo destroçado, já azulado.
Que fora arremeçado contra a inflexível presença da natureza.
Agora aguarda, naquela estrada, sobre a sombra fresca, o inútil e tardio resgate.