sábado, 20 de julho de 2013

Absorto



A distância existente entre nossos corpos tortura cada mísero instante de minha vida, embriagado pelo absinto.
Lembro-me dos nossos raros momentos até então perdidos em minha memória.
Recordo-me dos detalhes de sua face.
Do cheiro natural do seu corpo, do seu perfume, da textura de sua pele e do som de sua voz.
Ah, que saudades tenho de sua voz e de seu olhar.
Nunca lhe negaria:
O meu sorriso.
O meu abraço.
O meu respirar.
A minha vida.
 A minha presença.
A minha existência.
Algum dia colocaremos um fim a lonjura e desintegrarei a saudade que me tortura.
Nossas vidas tornar-se-ão pulsar no mesmo ritmo e outrora.
Todos os amorosos suspiros
Serão convertidos
Em nossos maiores anseios.

Marco Aurélio Gomes Júnior.


Nenhum comentário:

Postar um comentário